sábado, 30 de abril de 2011

Um ano sem o trem 4800

Trem série 4800 grafitado pelo projeto Expresso Arte (foto: divulgação)

E lá se vai um ano sem o saudoso trem toshiba... Para muitos, não faz qualquer diferença tê-lo ou não, mas para nós que estamos sempre antenados sobre o que acontece na ferrovia, esse trem faz falta. Em 30 de abril de 2010, chegava ao fim os serviços operacionais prestados pelo trem série 4800, conhecido por muitos como ´Jotinha`, ou ´Toshiba` por nós da ferrovia. Depois de muitos anos prestando serviços de maneira precária, sem um mínimo de conforto, a CPTM achou por melhor encerrar a carreira desse trem. Até a data de encerramento dos serviços, três unidades ainda resistiam, circulando no trecho compreendido entre Itapevi e Amador Bueno (extensão operacional da Linha 8-Diamante). Uma linha de bitola métrica, com baixa frequência de usuários, totalmente gratuita. Os trens circulavam em condições lastimáveis, com muitos ruídos e sons de engrenagens, sempre balançando muito. Mas estavam lá, operantes.

Trem toshiba em sua fase original, pelas vias da EF. Sorocabana

 Trem toshiba em sua fase original, pelas vias da EF. Sorocabana

 Interior dos trens japoneses (modelo original)

A história desse trem vem de muito tempo atrás. Adquirido pela então Estrada de Ferro Sorocabana, para atender os serviços de subúrbio compreendidos entre Júlio Prestes e Sorocaba, a encomenda de 30 trens japoneses foi um marco na época. Tais trens eram o que existia de mais moderno para aquele tempo, porém, construído em aço carbono. Nessa época, as ferrovias eram muito valorizadas, e o Brasil vivia um tempo de ouro, onde haviam ferrovias por onde se andava. Com essa aquisição, a EFS dava um salto no serviço de transporte público paulista, e oferecia serviços de qualidade para seus usuários.

Esse é o vídeo oficial da chegada dos trens japoneses ao Brasil, por meio do navio Kantu Maru, que aportou em Santos em meados de 1957. É possível ver também o Ouro Branco, um dos trens mais famosos da EF Sorocabana. Todo o processo de chegada, desembarque e encarrilhamento é possível de se ver nesse vídeo, o qual não temos o autor, mas que é de fato um vídeo histórico.

Toshiba na era Fepasa, a caminho de Amador Bueno

Era bastante comum ver tais trens circulando em composições com nove carros, para poder atender a demanda que crescia cada vez mais. Em São Paulo, tanto antigamente como hoje, o trem sempre é uma rota de fuga para os trabalhadores, além de levar passageiros da capital para a região metropolitana em tempos curtos, com determinado conforto e segurança, vencendo o caótico trânsito da maior cidade do país. Pois bem, o tempo foi passando, e os toshibas ganharam notoriedade na ferrovia sorocabana. Em 1971, a Estrada de Ferro Sorocabana, então controlada diretamente pelo governo de São Paulo, era absorvida pela FEPASA, que daria novo fôlego para a companhia. Logo na aquisição, começam os projetos para melhorias nos trens de subúrbio, e nesses projetos, a encomenda de novos trens para atender o trecho então operado pelos toshibas. Em 1978, chegam os novos trens franceses, com 12 carros, bitola de 1,60m e maior capacidade. Com isso, os toshibas são deslocados para realizarem viagens do interior para cidades próximas à São Paulo. Durante esse tempo, o trem ficou conhecido como Toshiba Rio Claro, por seguir viagens até a cidade citada. Em 1995, a FEPASA é absorvida pela CPTM, e os trens japoneses ganham um destino mais singelo: extensão operacional. Com isso, os serviços de transporte para Sorocaba são extinguidos, e a CPTM passa a controlar todo o tráfego correspondente.

Trem série 4800 na antiga estação Grajaú (foto: autor desconhecido)

 Toshiba estacionado na Estação Varginha (Extensão da Linha C - Hoje desativada)
(autor desconhecido)

Operando na extensão operacional da então Linha C, os trens série 4800 prestavam serviços um tanto pacatos, em estações bastante humildes. Posteriormente, os mesmos foram deslocados para a extensão da então Linha B, onde encerraram suas atividades. Nesse meio tempo, das últimas seis unidades restantes, apenas três ficaram em São Paulo. Outras três foram enviadas para Salvador (BA), para serviços de transporte da CTS. Nos últimos anos de serviço, esse trem sofreu inúmeros problemas, todos sem gravidades extremas. Dois casos mais famosos foi um incêndio no painel elétrico de uma das unidades, durante uma viagem para Itapevi, e outro foi a perca total dos freios de serviço, durante a ida para Amador Bueno, deixando a composição desgovernada entre Itapevi e Santa Rita. Depois desses eventos, a CPTM retirou os trens de circulação, mas por intermédio da população local e do prefeito de Itapevi, os mesmos voltaram, após rápida revisão. Em 2009, uma das unidades chegou até mesmo a receber a nova identificação visual da CPTM, na cor vermelha (unidade 4807), mas assim como os outros dois, não teve um final feliz, e acabou sendo retirado de circulação também.

Unidade 4807 com o novo padrão da CPTM (foto: Willian Molina)

 TREM SÉRIE 4800 - FOTOS E FASES

Trem toshiba - EF.Sorocabana (foto: autor desconhecido)

 Toshiba nos anos 1980 (foto: Carlos R. Brandão/Portal Railbuss)

 Recém-saído da reforma básica, pronto para circular novamente

Versão FEPASA - Antiga estação Interlagos (foto: autor desconhecido)

 Toshiba sucateado (foto: Ricardo Koracsony/Portal Railbuss)

Unidade 4804 sendo transportada para Salvador-BA (foto: autor desconhecido)

 Toshiba no trecho de Amador Bueno (foto: Michel Veras)

Versão metropolitano CPTM - (foto: divulgação CPTM)

Unidade 4802 - CPTM (foto: autor desconhecido)

Unidade 4808 - CPTM (foto: autor desconhecido)

Unidade 4807 - CPTM (autor desconhecido)

Trens toshiba 4802 e 4808 cruzando (foto: André Santana)

Unidade 4808 - Última viagem comercial (30.04.2010) (foto: André Santana)


Unidade 4807 e 4808 (ao fundo), sem uso (foto: autor desconhecido)

Hoje, os três últimos trens dessa série encontram-se estacionados no pátio de Presidente Altino, em Osasco, fora de circulação. Desde o fim de sua operação, o serviço de passageiros tem sido atendido por ônibus, e a CPTM está modernizando o trecho atendido por eles, trocando a bitola métrica por larga e reconstruindo as estações. Para quem viveu esse tempo, e pôde viajar nesse trem, ficam as lembranças e as histórias... para aqueles que não puderam, fica aqui um relato, que por poucas vezes pude estar à bordo dessa lenda, mas que, nessas poucas vezes, trouxe lembranças e histórias que hoje conto para todos vocês através desse blog.

 Trem série 4800 - (Toshiba - Kawasaki)

Blog mudará de endereço amanhã

Primeira identificação do blog, com banner promocional

Saudações a todos que acompanham o blog CPTM em Foco! Venho noticiar a todos que o blog terá seu endereço alterado. Desde o ano passado venho planejando fazer a modificação do endereço dessa página, mas pelo alto volume de visitas que viemos acumulando ao longo do tempo, decidi deixar o endereço atual por mais algum tempo. Mediante os últimos acontecimentos, onde o blog está sendo muito mais visado que anteriormente, não vi mais necessária a presença do meu nome junto com o número 1742 (para os que não sabem, é o prefixo do meu trem favorito). Então, a partir de amanhã, todos que acompanham o blog CPTM em Foco poderão entrar pelo novo endereço, que será http://www.cptmemfoco.blogspot.com/. O blog continuará o mesmo, não iremos alterar nossa identidade, nem as postagens. Apenas uma mudança de endereço, visando aumentar nosso espaço na mídia e podendo alcançar vôos maiores. Desde já agradeço a todos vocês pelas visitas, pelos comentários e participações no blog. Vocês todos vem contribuindo para o crescimento desse trabalho, que todos os dias quebra novas barreiras, e faz com que os usuários, admiradores e funcionários, da CPTM e de outras companhias, sejam informados com notícias objetivas e diretas, relativas ao que realmente interessa.
Blog CPTM em Foco: Boas atitudes fazem boas viagens!

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Governo de São Paulo entrega mais 3 novos trens para a CPTM

Trens série 7000: 36 novos trens entregues pelo governo estadual (Foto: Divulgação CPTM)

Fonte: Site CPTM
O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, entregaram mais três novos trens para a operação da CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos], na terça-feira [26/04]. O evento realizado na Estação Brás incluiu uma visita ao CCO [Centro de Controle Operacional], um dos mais modernos das ferrovias brasileiras.

As novas composições fazem parte de um total de 105 trens adquiridos pela CPTM recentemente. Com essas três unidades, o número de novos trens entregues chega a 50, todos equipados com tecnologia de ponta como ar-condicionado, câmeras de vigilância, sistema de informação audiovisual [monitores de vídeo e displays]. Inicialmente, os três novos trens entrarão em operação na Linha 12-Safira [Brás-Calmon Viana], mas poderão circular em todas as linhas da CPTM, de acordo com a necessidade operacional.

"Com esses já são 50 trens entregues, de um total de 105. Vamos entregar ainda mais 55 trens, de oito carros cada, que somam 440 carros. Tudo isso é para melhorar o conforto e oferecer um transporte mais eficiente à população", disse o governador.

As seis linhas da CPTM também passam por um processo de revitalização, com aquisição de trens, modernização de estações e da infraestrutura, implantação de sistemas de sinalização, telecomunicações, energia, rede aérea e via permanente.

Segundo o secretário Jurandir Fernandes as melhorias não se limitam aos trens entregues. "Estamos reformando e construindo estações, melhorando as vias, os sistemas de energia e sinalização, para que o conforto e a qualidade sejam cada vez melhores".

CAF Série 7000 - Todas as 40 unidades já estão em circulação (Foto: Diego Silva)

Modernidade nos trilhos paulistas

Fabricados pela CAF, os três novos trens, com oito carros cada, possuem design arrojado na parte externa, que traz a nova comunicação visual da CPTM, com predominância de vermelho, além das cores cinza e branco. A parte interna também tem layout moderno e funcional.

As composições são equipadas com sistema de monitoramento por câmeras no interior dos carros, além de câmeras externas no primeiro e último carros que mostram a movimentação na plataforma da estação. Os trens são totalmente acessíveis para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Amanhã é o Dia do Ferroviário

Fonte: Uol Educação

O ferroviário, também tem o seu dia. É o 30 de abril. Por quê? Porque em 30 de abril de 1854 inaugurou-se a primeira linha ferroviária do Brasil, numa viagem que contou com a ilustre presença do imperador dom Pedro 2º e da imperatriz Tereza Cristina.
A Estrada de Ferro Petrópolis, que tinha cerca de 14km de trilhos, ligava o Rio de Janeiro a Raiz da Serra, na direção da cidade que batizou a ferrovia. Ela foi um empreendimento do empresário Irineu Evangelista de Sousa, que por isso recebeu do governo imperial o título de barão de Mauá.
Hoje, pode não parecer, mas as estradas de ferro e seus trabalhadores já foram muito importantes para o desenvolvimento de nosso país. A história do Brasil, em diversos sentidos, caminhou sobre os trilhos dos trens, puxada pelas locomotivas. Quer um exemplo surpreendente?


Locomotiva da SPR

Os ingleses e o futebol

As duas primeiras bolas de futebol trazidas para o Brasil, que introduziu aqui esse esporte britânico, foram utilizadas numa partida entre os funcionários da São Paulo Railway (= estrada de ferro) e os da Companhia de Gás. Os ferroviários ganharam por 4 a 2.
Na verdade, assim como o futebol, a ferrovia é uma invenção dos ingleses. A primeira locomotiva da história foi projetada pelo engenheiro George Stephenson (1781-1848). Seus resutados para o transporte de carga e passageiros foram surpreendentes. Afinal, os transportes terrestres da época tinham tração animal e a locomotiva (de "locomotion", locomoção, movimento) atingia uma velocidade incrível: 20 quilômetros por hora.
Os trens rapidamente se difundiram no mundo e no Brasil. Aqui, em 1889 já havia 10 mil quilômetros de linhas férreas e, no centenário da inauguração da estrada de Mauá, em 1954, os trilhos já haviam atingido cerca de 40 mil quilômetros. Ao longo de todo esse tempo, várias outras vezes os ferroviários ajudaram a transportar nossa história.

A locomotiva da história

Em 1930, Getúlio Vargas pegou um trem no Rio Grande do Sul e seguiu para o Rio de Janeiro, conduzindo as tropas gaúchas que iriam depor o presidente Washington Luís e começar um novo período da história nacional. Da mesma maneira, viajavam de trem as tropas paulistas que se insurgiram contra Getúlio em 1932, lutando pela promulgação de uma nova Constituição.
Na década de 1950, o trem era o principal meio de transporte entre as duas maiores cidades do país: São Paulo e o Rio de Janeiro. A ponte aérea só surgiria em 1959. Contudo, não foi o avião, mas a indústria automobilística, que o presidente Juscelino Kubitschek trouxe para o Brasil, na virada da década de 50 para a de 1960.
Com isso, as estradas de ferro entram em decadência. Infelizmente, pois se trata de um meio de transporte eficiente, barato e limpo, no que se refere à poluição ambiental. Hoje em dia, a malha ferroviária do país chega somente a cerca de 30 mil quilômetros, utilizada em sua maioria para o transporte de carga.


CAF Oaris - Proposta espanhola pelo TAV Brasil
Trem-bala

Você pode estar pensando que isso é natural, que o trem era uma coisa do passado, que se tornou ultrapassada com o surgimento dos carros, dos ônibus, dos automóveis, mas isso absolutamente não é verdade. A importância do passado ressalta que as ferrovias também podem ser uma grande opção de transporte no futuro. Nas grandes cidades, os trens já são importantíssimos, transportando passageiros por debaixo da terra nos metrôs.
Além disso, a tecnologia ferroviária evolui muito ao longo de quase dois séculos. O trem-bala japonês, que une as cidades de Tóquio e Osaka, atinge uma velocidade média de 300Km/h. No Brasil o Ministério dos Transportes fala em abrir uma concorrência para criar uma PPP (Parceria Público-Privada) para a construção de um trem-bala entre o Rio de Janeiro e São Paulo.
Ele percorreria os 400Km que separa as duas cidades em uma hora e meia, viajanado a uma velocidade média de 280Km/h. Este talvez já seja um bom motivo para se comemorar com entusiasmo o dia do ferroviário.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Estações Luz e Júlio Prestes viram selos comemorativos

Selo comemorativo da Estação Luz
Fonte: Estadão.com.br
A partir de sábado, dois marcos da arquitetura e da história de São Paulo, as Estações da Luz e Júlio Prestes, no centro da cidade, serão homenageadas com selos comemorativos pelos Correios, em parceria com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A Central do Brasil, no Rio, também foi contemplada.
Cada um dos selos, criados pelo artista Luiz Santos, terá uma tiragem de 300 mil exemplares e será vendido até 31 de dezembro de 2012, por R$ 1,10. A data de lançamento coincide com o Dia do Ferroviário, quando foi inaugurada a primeira ferrovia do Brasil, em 1854, no Rio. A escolha do tema ocorreu no ano passado, após consulta popular. A criação é dos Ministérios da Educação e da Cultura.
Um dos motivos que levaram a Estação da Luz ser escolhida foi sua idade: 110 anos, completados no dia 1.º de março. Com arquitetura inglesa de inspiração vitoriana, a estação foi um dos polos de exportação do café, que vinha do interior do Estado e seguia para o Porto de Santos. Ela foi erguida em 1901, com estruturas trazidas da Inglaterra, e tombada em 1982 pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico (Condephaat).
A Júlio Prestes também foi impulsionada pela riqueza do café. Construído entre 1926 e 1938, o complexo que hoje abriga o terminal da Linha 8-Diamante (Júlio Prestes-Itapevi) da CPTM e a Sala São Paulo nasceu da necessidade da antiga estrada de ferro Sorocabana em se adequar ao transporte de passageiros, no início do século 20.
"Os selos dessas estações são uma forma de divulgá-las no Brasil e no mundo", diz Miguel Rodrigues, presidente da Sociedade Philatélica Paulista. "Embora já não se use muito correspondência por cartas hoje em dia, quem receber um telegrama pode se interessar em conhecer esses locais", afirma Rodrigues.
Os selos poderão ser comprados pela internet já no sábado, e nas agências na segunda-feira. 

 Selo comemorativo da Estação Júlio Prestes

terça-feira, 26 de abril de 2011

Como acontece uma revisão geral

Trem série 2100 em Rio Grande da Serra: unidades estão indo para revisão geral

Fotos e texto por: Diego Silva
Colaboração: Luis Fernando (Luisinho)

Os trens série 2100 estão ficando vermelhos... Para os usuários da Linha 10-Turquesa, que liga Luz à Rio Grande da Serra, trata-se de novos trens, mas muito pelo contrário, o que está acontecendo é uma revisão geral. Mas o que seria uma revisão geral? Assim como os automóveis, que necessitam parar para haver uma avaliação de suas peças e seu estado geral, os trens também tem um tempo para parar e serem totalmente desmontados para serem avaliados sobre seu estado físico, se possuem condições de circularem por mais tempo oferecendo conforto e segurança para os usuários. Nessa postagem especial, iremos demonstrar para vocês como funciona uma revisão geral, e utilizaremos como o exemplo o trem série 2100. A CPTM programa as revisões gerais, normalmente, por um número x de quilometragem. Esse valor é adquirido a partir de testes e verificação de tabelas, visto que o trem adquire uma fadiga de seus materiais, que se não for corrigido, aumenta drasticamente as avarias, o que torna a circulação da unidade forçada e inviável.

Série 2100, unidade 2125: provavelmente uma das próximas a ir para a revisão geral

Após circularem por determinado tempo, os trens série 2100 estão sendo alocados para as revisões gerais periódicas. Existem 3 tipos de revisão: Preventiva (como o nome diz, para prevenir problemas e acidentes, onde os trens passam por períodos regulares), Corretiva (em caso de algum problema, o trem é enviado para a oficina e feito o reparo, é enviado novamente para a circulação) e a Revisão geral (desmontagem total do trem, para avaliação dos componentes, reforço de estrutura, funilaria etc). Hoje falaremos da revisão geral, que é a mais demorada e complexa de todas, uma vez que envolve todo um efetivo de mecânicos e técnicos, para desmontagem e avaliação total do trem. O primeiro passo é o recolhimento do trem, que é retirado de circulação em uma data específica e levado para o pátio. Durante a paralisação da circulação (entre 00h e 04h), o trem é mobilizado para a oficina, para a avaliação inicial. Feita a avaliação inicial, começa o processo de desmontagem total do trem, desde as partes externas, até as internas.

Trem série 2100, unidade 2131, já desmontada

Unidade 2131 desacoplada. Carros são revisados separadamente

Depois de retirado todos os componentes (ar condicionado, caixas de bateria, compressores de ar, instalações elétricas, truques, motores e demais presentes). Cada um dos componentes vai para uma área, para sua respectiva revisão. Além da revisão, os componentes que não tiverem mais condições de uso, são substituídos por novos equipamentos. As janelas também são retiradas, para instalação de novas placas de policarboneto (as janelas dos trens não são de vidro). Todo o trem se transforma em diversas peças. No caso do trem série 2100, a caixa de aço carbono é lixada, limpa, e passa por calderaria, onde a mesma é analisada em busca de trincas e rachaduras que possam comprometer sua vida útil. Após isso, ela é recuperada, numa funilaria.

Unidade 2128 passando por reforço estrutural

Unidade 2128 passando por reforço estrutural. Notem as marcas de solda.

Unidade 2128, com a lateral reforçada em chapas de aço carbono 

 Salão de passageiros totalmente desmontado, para reforço de estruturas

Toda a parte elétrica do trem é remontada, ganhando novo cabeamento juntamente com novos contatos. Os motores são revisados também, e em caso de problemas mais graves, são substituídos por outros anteriormente revisados ou estocados por segurança. Truques e engates são retirados para análise, em busca de falhas e trincas que possam causar acidentes graves em caso de quebra dos componentes.

 Unidade 2134, toda reforçada e lixada, pronta para receber a nova identificação da CPTM
Após esses processos, o trem começa a ser remontado, com suas peças que estão retornando das revisões, ou mesmo novas peças chegando em lotes contratados. Durante sua montagem, o trem já é envolvido em testes estáticos parciais, visando acelerar o processo de retorno do mesmo. Nessa fase, tudo o que foi retirado externamente é reinstalado. A caixa do trem, toda lixada e reforçada, vai para uma cabine de pintura, onde recebe a identificação visual da CPTM, nas cores cinza e vermelho. Ao sair da funilaria, começam as instalações internas, de ar condicionado, componentes, câmeras, aplicação do filme anti-derrapante do piso e demais componentes.

Salão de passageiros da unidade 2127: poucos detalhes para o retorno

Unidade 2127 recebendo novas placas de policarboneto nas janelas

Por fim, como o trem já montado e pintado, a unidade é testada estaticamente, a fim de comprovar a funcionalidade de sua parte elétrica, e posteriormente, é testado dinamicamente em movimento, com a finalidade de comprovar o perfeito funcionamento e integridade para oferecer segurança a quem utilizá-lo.

Unidade 2141, revisada e pronta para operação (foto: Diego Silva)

Unidade 2122, revisada, em operação

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Estação Osasco ganhará reestruturação

Projeto da nova estação Osasco da CPTM (Linha 8-Diamante). Foto: Divulgação

Fonte: Diário da CPTM

As obras de reforma da estação está sendo executada exclusivamente pela CPTM, responsável também pela elaboração do projeto arquitetônico. 
Ficando a cargo da Prefeitura, a responsabilidade de ceder a área pública e também algumas obras de adequação das vias públicas nos bairros Bonfim e Presidente Altino.


Novo visual 
As obras, que mudarão o visual e a parte arquitetônica da atual estação, se integrarão também à Operação Tietê II, projeto da Prefeitura de Osasco que visa a reurbanização de toda área central de Osasco, integrando o Centro ao bairro do Bonfim e ao Conjunto Hervy.
Conforme o projeto da CPTM, além de moderna arquitetura, a nova estação ferroviária de Osasco oferecerá também conforto e segurança aos usuários. 
As duas passagens subterrâneas, que hoje ligam a região central ao Bonfim e a Presidente Altino, serão substituídas por um tipo de laje coberta sobre a estação. Será uma ampla passagem com ligação direta entre esses dois bairros ao Largo de Osasco, e acesso às Ruas Antonio Agu e Primitiva Vianco.  
A nova estação contará ainda com escadas fixas e rolantes, rampas e elevadores. Consta também no projeto a construção de um bicicletário com capacidade para abrigar cerca de 200 bicicletas.
A ampliação da estação Osasco, que ganhará uma nova plataforma e uma nova via férrea permitirá a redução do intervalo entre os trens que servem a uma das principais cidades da Região Metropolitana de São Paulo.



Também estão previstas intervenções nas ruas do entorno e a readequação do sistema viário, além de criação de um bicicletário e novo acesso para pedestres no local. a ampliação da estação Osasco é uma demanda histórica da cidade. 
Com a obra, as linhas da CPTM que servem Osasco [8-Diamante e 9-Esmeralda] poderão utilizar plataformas distintas na estação e com isso o intervalo dos trens será reduzido.  
O termo de cooperação entre CPTM e Prefeitura prevê a cessão pelo município de um trecho de 9,1 metros aos longo das ruas André Rovai e Erasmo Braga, na região central, para as obras de implantação da nova plataforma.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

SMS-Denúncia registrou 4,7 mil acessos no primeiro trimestre

Fonte: Site CPTM

O serviço SMS-Denúncia da CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] registrou 4.700 atendimentos, entre janeiro e março de 2011. O número de denúncias subiu cerca de 15% em comparação ao mesmo período de 2010. Implantado em 2008, o projeto já recebeu mais de 16 mil mensagens SMS com denúncias de usuários.

O serviço vem recebendo um número crescente de reclamações e denúncias, o que comprova a grande aceitação por parte da população. As denúncias mais frequentes de desrespeito às normas são: 1º poluição sonora [usuários que ouvem músicas com volume muito alto em seus celulares]; 2º comportamento inadequado do usuário [empurrão, sentar no chão do trem, não dar preferência a mulheres e idosos]; 3º ambulantes [usuários que se arriscam comprando produtos de origem e qualidade duvidosos].

Para maior eficácia do serviço, o denunciante deve colocar na mensagem o maior número de informações possível, em tempo hábil, para a intervenção na próxima parada. A recomendação é que a mensagem contenha as características do autor da infração [físicas e vestimenta], a linha onde está viajando, o número do carro, o sentido da composição e a próxima estação. Após receber a solicitação, a Central de Segurança localiza os agentes mais próximos e os destaca para atuarem na ocorrência.

A credibilidade se faz presente no número de trotes ou informações não confirmadas que têm diminuído, confirmando a aceitação da ferramenta.

Para utilizar o SMS-Denúncia, o usuário precisa de um celular com suporte SMS e enviar uma mensagem para o número 7150-4949, lembrando que não é necessário nenhum tipo de identificação [garantimos o anonimato]. Além do SMS, o usuário tem ainda à disposição o telefone 0800 055 0121, do Serviço de Atendimento ao Usuário, de segunda a sexta-feira, das 5h às 22h, e aos sábados, das 6h às 18h. Todas as denúncias recebidas por esse telefone são encaminhadas imediatamente à Segurança da Companhia.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Transportes terão esquema diferencial de circulação nesse feriado.

Fonte: Site CPTM

CPTM

Neste feriado prolongado [Tiradentes, dia 21, e Paixão de Cristo, dia 22], a CPTM terá esquema diferenciado de operação, motivado pela diminuição da demanda nesses dias. Na ocasião, a Companhia também promove obras de modernização e melhorias em trechos e horários específicos.

Na quinta-feira [21] e sexta-feira [22], os trens irão circular a exemplo de um domingo típico. Já no sábado [23] e domingo [24], a operação será feita normalmente, com intervalos habituais para esses dias. Vale ressaltar que a CPTM conta com trens em posições estratégicas, que podem ser injetados na operação, caso seja observado o aumento da demanda de usuários.


Metrô
A partir da próxima quarta-feira, dia 20, em razão dos feriados de Tiradentes [21] e Paixão de Cristo [22], o Metrô contará com esquema especial de operação. Para atender aos usuários que estiverem deixando a cidade pelos terminais rodoviários do Jabaquara, Tietê e Barra Funda, reforçará a oferta de viagens, no período da noite, nas linhas 1-Azul [Jabaquara-Tucuruvi] e 3-Vermelha [Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda].

Na Linha 1-Azul, foram programadas 1.170 viagens, dez a mais que a oferta de um dia útil típico. Já na Linha 3-Vermelha, a oferta será de 1.249 viagens, oito a mais que o habitual.

Nos feriados de quinta e sexta-feira, com previsão de demanda menor, a frota de trens em operação em todas as linhas será semelhante à que circula em um domingo. No sábado e no domingo, a programação de viagens também não sofrerá alterações, devendo permanecer a mesma dos finais de semana.

Retorno do feriado

Já na segunda-feira, dia 25, para atender aos usuários que retornam à cidade, o Metrô antecipará o horário de abertura das estações nas linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. Nas linhas 1 e 3, as composições começarão a circular às quatro da manhã; e na Linha 2-Verde [Vila Prudente-Vila Madalena], às 04h30. Na Linha 5-Lilás [Capão Redondo-Largo-Treze], as estações serão abertas para embarque no horário habitual, às 04h40.

Devido à antecipação da operação nas linhas 1, 2 e 3, 52 viagens a mais serão ofertadas aos usuários na segunda-feira.

EMTU

No feriado de Tiradentes, dia 21 e Sexta-feira Santa, dia 22, o sistema de ônibus metropolitano gerenciado pela EMTU/SP na Grande São Paulo vai oferecer o mesmo número de viagens programadas para os domingos. No dia 23, a programação de viagens será a normal dos sábados.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Expresso Turístico completa dois anos

Fonte: Site CPTM

Na segunda-feira [18], o Expresso Turístico da CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] completou dois anos de existência, com mais de 25 mil passageiros transportados, em 165 viagens realizadas. Atualmente, os roteiros disponíveis são: Luz-Jundiaí [semanal, aos sábados]; Luz-Mogi das Cruzes [quinzenal, aos domingos] e Luz-Paranapiacaba [quinzenal, aos domingos].

O projeto foi criado pela STM [Secretaria dos Transportes Metropolitanos] e CPTM em parceria com a Secretaria do Turismo, com o apoio da ABPF [Associação Brasileira de Preservação Ferroviária], IPHAN [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional] e das prefeituras de Jundiaí, Mogi das Cruzes e Santo André.

Lançada com o trajeto entre São Paulo e Jundiaí, a iniciativa tornou-se uma opção de lazer para o morador da região metropolitana. Em junho de 2009, Mogi das Cruzes foi escolhida como outra opção de viagem. Na sequência, em setembro de 2010, a Vila de Paranapiacaba também passou a ser destino oferecido pelo Expresso Turístico. Outros três roteiros estão em estudo - para São Roque, Aparecida e Campos do Jordão -, mas dependem de parcerias e convênios a serem firmados. Dentro dessa expansão, está prevista a entrada em operação do veículo automotriz "Litorina", em fase final de modernização integral pela CPTM.

O sucesso da iniciativa pode ser comprovado pela grande procura e aprovação de quem já utilizou o serviço. De acordo com pesquisa realizada em 2009, 90% dos turistas com destino a Jundiaí e 82% com destino a Mogi das Cruzes tiveram as expectativas superadas ou atendidas pela viagem. É possível ainda acompanhar o depoimento de quem já viajou no Expresso no "Diário de Bordo" [clique aqui e confira].

A pesquisa mais recente, desta vez qualitativa, realizada entre novembro de 2010 e fevereiro de 2011, revela a aprovação do serviço pelos usuários e profissionais do setor turístico. Em geral, os entrevistados descreveram a viagem como "calma, boa para curtir a paisagem e no tempo suficiente", o que comprova o acerto na escolha dos roteiros e serviço diferenciado oferecidos. Os monitores também foram bem avaliados: "... dão explicações no percurso, são bem treinados, receptivos, atenciosos e delicados". A pontualidade ["britânica, dentro do combinado"], a segurança adequada e o conforto ["bom, tudo arrumado, limpo"] também foram destacados pelos participantes da pesquisa.

No ano passado, o Expresso Turístico ficou entre as 26 escolhidas na I Chamada para a Premiação das Melhores Práticas dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional - Estudo de Competitividade 2010, promovida pelo Ministério do Turismo.

O assessor de planejamento da STM, Ayrton Camargo e Silva, que também foi coordenador técnico do Expresso desde sua implantação, avalia positivamente os dois anos de existência do projeto. "O objetivo é perseguir uma qualidade cada vez maior". Ele destaca que, diferentemente do transporte diário, o Expresso Turístico exigiu da Companhia um sistema inovador de operação. "A CPTM, com este novo serviço, está desenvolvendo uma cultura de operação de serviços especiais, baseada na qualidade oferecida por outros modais presentes no transporte turístico", comenta o assessor.


Trem

O passeio é feito a bordo de um trem, composto por uma locomotiva, da CPTM, e dois carros de aço inoxidável fabricados no Brasil na década de 60. Cedidos pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária [ABPF], os vagões foram restaurados pela CPTM. São 174 poltronas para acomodar confortavelmente os turistas, além de espaço reservado para cadeira de rodas [com cinto de segurança e ancoragem da cadeira]. Ao longo do percurso sobre os trilhos, que dura cerca de 1 hora e meia, monitores dão informações históricas sobre a ferrovia. As viagens para Mogi das Cruzes também contam com um vagão-bicicletário.

Passagem

O preço unitário da passagem é de R$ 30,00, exceto para os embarques na Estação Santo André, com destino a Paranapicaba, que saem por R$ 27,00. O bilhete é vendido das 6h às 18h30, todos os dias, na bilheteria da Estação da Luz localizada no acesso à Pinacoteca e na Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André [Linha 10-Turquesa]. Há descontos de 50% na compra de até três passagens para acompanhantes. O trem parte da plataforma 4 da Estação da Luz, às 8h30, e o retorno para São Paulo ocorre às 16h30, com chegada às 18h.

Roteiros

Os passageiros podem adquirir roteiros opcionais com a operadora turística local autorizada [pacotes não inclusos na tarifa da viagem de trem] no balcão da Estação da Luz. Em Jundiaí, as opções são o roteiro cultural [passeio pelo patrimônio histórico], o roteiro ecológico [passeio na Serra do Japi] e o roteiro rural [Circuito das Frutas]. Em Mogi das Cruzes são oferecidos os roteiros rural [Circuito das Flores], ecológico [Parque da Neblina], cultural [patrimônio histórico] e eco cultural [Parque Centenário e Museu Igreja do Carmo]. Já em Paranapiacaba, o turista pode optar pelo circuito cultural [Vila Inglesa ou Nos Trilhos da SPR], histórico/ambiental [Expresso Paranapiacaba] e ecológico [Nas Trilhas da Serra do Mar ou Nascentes do Rio Grande].

Mais informações no hotsite do serviço: http://www.cptm.sp.gov.br/ExpressoTuristico

Siga o blog por email

Seguidores